Carrinho (0)
Carrinho (0)

SEX SHOP E O LEGADO DE BEATE UHSE

Publicado em: 18/07/2017

Sex Shop Neon

A História do Sex Shop - Como a Educação Sexual e o Empreendedorismo Transformaram o Legado de Beate Uhse 
 

A Importância do Sex Shop Para a Sociedade

Óleos massageadores, próteses penianas, vibradores para o Ponto G, vibradores para o clitóris, réplicas de vaginas com vibradores, anéis de pompoarismo, fantasias eróticas, produtos BDSM, calcinhas comestíveis, velas aromáticas, géis estimulantes e muito mais... Tudo isso pode ser facilmente encontrado através de sites ou catálogos de sex shops, por valores acessíveis e com descrições completas sobre textura, funcionamento e efeitos. 

Atualmente, o sex shop faz parte da sociedade e é visto por muitos como uma loja como qualquer outra, no entanto, a luta contra o conservadorismo vem de séculos e não é à toa que muitas pessoas ainda possuem receios na hora de adquirir ou até mesmo falar sobre produtos eróticos. 

O sex shop foi, inconscientemente, responsável por libertar sexualmente diversas pessoas que não conheciam o verdadeiro prazer e que buscaram novas formas de se descobrir. A venda pela internet possibilitou a aquisição discreta de tais produtos e consegue garantir que novas pessoas conheçam e aproveitem as maravilhas desse mercado que é julgado de forma injusta pela sociedade tradicionalista. Do ponto de vista social, um sex shop que preza pelo prazer de seus consumidores é tão importante quanto um SPA ou uma clínica de relaxamento, pois é através dos produtos e serviços ali oferecidos que seus clientes terão uma satisfação única e um prazer intenso e verdadeiro. 

A expansão dos sex shops pelo mundo demonstra o como o pensamento cultural está mudando e como o prazer sexual está cada vez mais valorizado, principalmente entre grupos que por muito tempo não sabiam as vantagens de usar tais produtos, tanto para apimentar a relação quanto para proporcionar prazer pessoal.

Como Surgiram os Primeiros Brinquedos Eróticos? 

Embora não exista uma data precisa sobre a criação dos primeiros produtos eróticos, sabe-se que diversos povos criavam esculturas de deusas com perfurações para o estímulo sexual masculino quando os homens se encontravam longe de casa, assim como também era incentivado o consumo de plantas e chás que estimulavam a circulação do sangue e aumentavam a libido para ter mais prazer durante o ato sexual. 

Os vibradores, por exemplo, surgiram no ano de 1869como método de controle de disfunções sexuais femininas e de uma doença chamada Histeria, que ocorria em mulheres e que assolava grande parte da população europeia no século XIX. O estímulo sexual feminino através de vibradores era a forma mais eficiente de controlar os ataques de ansiedade que descontrolavam as mulheres da época.

A Popularização Vibradores nos Anos 1900

Com a chegada da eletricidade nas residências dos Estados Unidos o uso de vibradores começou a se popularizar, uma vez que podia ser facilmente acionado por tomadas domésticas. Com isso a venda de vibradores cresceu exponencialmente e a população começou a ter conhecimento sobre tais produtos. Os vibradores deixaram de ser um produto medicinal e se tornaram uma ferramenta de prazer, que estimulava e satisfazia os desejos das mulheres, sendo estas solteiras ou comprometidas.

Beate Uhse: Pilota, Empreendedora e Dona da Primeira Sex Shop do Mundo

Beate UhseBeate Uhse nasceu na antiga Prússia em 1919 e teve como exemplo materno uma das cinco mulheres formadas como médicas na Alemanha. Seu pai, embora fazendeiro, também abraçava o conceito liberal de vida, através do qual apoiava a liberdade da esposa e incentivava os estudos da filha. Aos 16 anos Beate foi para a Inglaterra trabalhar como au pair por um ano e em seguida formou-se em Economia Doméstica. Alguns anos depois recebeu a oportunidade, por parte de um amigo de seu pai, de trabalhar nas forças aéreas da Alemanha. 

Desde pequena Beate Uhse era apaixonada pela história mitológica de Ícaro e sonhava em poder voar. Quando a oportunidade chegou, Beate colocou toda a sua energia e dedicação nesse meio e aos 18 anos já realizava voos sozinha. Durante alguns anos voou como pilota de testes e dublê em filmes de ação. Conheceu e se apaixonou por Hans-Jürgen Uhse, com o qual se casou e teve seu primeiro filho.  

Em decorrência da Segunda Grande Guerra Beate perdeu seu marido e teve de lidar com o luto e administrar as contas sozinha, afastada da carreira de piloto devido à gravidez, precisou recorrer as alternativas de venda para sustentar o filho e manter-se empregada no cenário pós-guerra alemão. 

Beate Uhse então começou a vender produtos porta a porta para pagar as contas, onde conversava profundamente com as mulheres sobre os problemas sociais da época, uma vez que os maridos retornaram ao lar e a taxa de abortos aumentara exponencialmente devido à falta de conhecimento e à não prevenção. Beate começou a repassar seus conhecimentos sexuais às esposas desesperadas, ensinando-as a calcular o ciclo (tabelinha) e ensinando técnicas que aprendera com sua mãe quando mais jovem. 

Phamplet X e a Ideia de Abrir um Sex Shop 

As mulheres criaram tamanha confiança em Beate que a ex pilota decidira mudar o ramo de suas vendas e criar uma cartilha orientando questões básicas de higiene pessoal e dando dicas para melhorar o casamento. O produto final tornou-se um pequeno livreto, redigido e distribuído pela própria Beate Uhse em 1946. Em cerca de 2 anos o guia matrimonial já havia vendido mais de 32 mil cópias e o comércio de Beate começou a ganhar popularidade pelos livretos e preservativos distribuídos para suas clientes.

Para conseguir administrar melhor as vendas, Beate transformou seu negócio em um sistema de encomendas via correios e em 1951, ao lado de 4 empregadas deu continuidade às suas vendas. A demanda começara a ser maior do que o esperado, exigindo esforço e dedicação contínuo de Beate para manter as encomendas em dia. Após 10 anos trabalhando nesse meio e realizando vendas através de correspondência, Beate viu na Revolução Sexual de 1960 uma oportunidade para empreender e consolidar seus produtos em território alemão. 

Revolução Sexual de 1960 

A Revolução Sexual durou cerca de uma década, mas teve seu início ao final dos anos 1950 e no princípio dos anos 1960, onde grupos feministas e liberais defendiam a liberdade sexual individual e confrontavam os paradigmas tradicionalistas da época. A revolução teve como principais pautas a liberdade sexual feminina o incentivo ao uso de métodos contraceptivos, vistos até então como um tabu. 

Além disso, o movimento também carregou pautas que defendiam a legalização do aborto, visto que o pós-guerra não prejudicava apenas a economia do país como matava mulheres em procedimentos ilegais, e discutia pautas como a homossexualidade e o sexo antes do casamento. Todo esse alvoroço fez com que a sociedade não só começasse a discutir a questão do sexo como também desenvolveu o senso crítico dos cidadãos perante assuntos dados como polêmicos.

A Primeira Loja e a Repressão Alemã

Loja Beate UhseFoi diante desse cenário revolucionário e caótico que Beate Uhse abriu sua primeira loja física de sex shop em Freiburg, Alemanha. A loja trazia o nome ‘Instituto de Higiene Conjugal’ para driblar o julgamento conservador social e para atrair, através da inocência, novos clientes que buscassem soluções para questões pessoais e matrimoniais ligadas à sexualidade. Mesmo sabendo das dificuldades e tendo de enfrentar o preconceito da época Beate abria sua loja todos os dias e conquistava cada vez mais consumidoras.

Contudo, a censura foi inevitável, tanto por parte da polícia quanto dos demais cidadãos alemães, sendo acusada inclusive de agir contra a moral e os bons costumes. Mas Beate não sucumbiu as críticas e permaneceu firme em seu negócio, popularizando seus produtos e guias e incentivando a criação de novos sex shops ao redor do mundo.

O Desenvolvimento das Primeiras Bonecas Infláveis

Paralelamente aos acontecimentos na vida de Beate, a Alemanha desenvolvera acessórios que atualmente são responsáveis por grande parte das vendas de produtos eróticos no mundo: as Bonecas Infláveis. Durante a Segunda Grande Guerra os nazistas buscavam alternativas para reduzir a quantidade de mortos por doenças venéreas nos fronts. Ao descobrirem que a fonte de tais doenças eram os bordeis, onde os soltados buscavam aliviar o estresse e suprir o desejo sexual, os cientistas começaram a desenvolver modelos semi-realistas de bonecas que pudessem ser utilizadas sem risco de contaminação.

Embora o projeto não se tenha dado continuidade ao projeto, os modelos ficaram conhecidos como os primeiros protótipos de bonecas infláveis da história e foram utilizados como inspiração para a criação de bonecas mais complexas nas décadas seguintes. A Segunda Guerra Mundial acabou trazendo inovações inesperadas ao mercado de produtos eróticos, fazendo da necessidade o principal combustível para criar e desenvolver projetos inovadores e inusitados.

Popularização do Sex Shop e Legalização do Comércio Erótico no Mundo

Após o extremo sucesso proporcionado pelas vendas da loja de Beate Uhse na Alemanha o comércio de produtos eróticos começou a se expandir e alcançar novos países e até mesmo novos continentes. Até países dados como conservadores, como a Russia e China, vieram a permitir e legalizar esse novo modelo de comércio em seus respectivos territórios. Em 1970 foi inaugurado o primeiro sex shop da Inglaterra, localizado na cidade de Londres, na qual turistas e locais puderam conhecer uma nova seara de produtos relacionados ao prazer pessoal. A primeira loja de produtos eróticos do Brasil também foi inaugurada no ano de 1970, como projeto de um empresário que já revendia produtos eróticos e viu nas lojas europeias uma oportunidade de investimento.

Após a suspeita de comércio não autorizado de produtos eróticos na Itália, inaugura-se a primeira loja legalizada em Milão no ano de 1972. No início da década de 1990 tanto a Rússia quanto a China abriram suas primeiras lojas em Moscou e Beijing, com uma maior variedade de produtos e trazendo, inclusive, produtos para o prazer exclusivamente masculino. Filiais foram abrindo ao redor do mundo, em países como Estados Unidos e Canadá. Mesmo situada na Europa e localizada entre grandes referências do comércio de produtos eróticos, a França só teve sua primeira loja em 2001, em Paris.

Good Vibrations 

No ano de 1977, na cidade de São Francisco nos Estados Unidos é inaugurada a primeira loja especializada em vibradores, trazendo uma grande variedade de tamanhos e formatos, fornecendo também diversidade no tipo de carregamento e funcionamento dos vibradores. Sendo a primeira loja do ramo no mundo, a Good Vibrations atraiu o público consumidor de diversas localidades, tanto dentro quanto fora dos Estados Unidos. Atualmente a Good Vibration é uma das maiores lojas do ramo e mesmo trazendo outros tipos de produtos ao seu público, ainda é a grande referência quando o assunto é sobre vibradores e suas variedades.

1990: A Verdadeira Revolução no Mercado de Produtos Eróticos

Um dos maiores problemas para os vendedores era, até então, lidar com a timidez do público para entrar nas lojas e questionar sobre os produtos e suas funcionalidades. Apesar de toda a revolução sexual e dos movimentos dos anos 1980 ainda havia grande dificuldade para levar o consumidor para dentro da loja. No entanto, com a chegada da internet o mercado de produtos eróticos pode finalmente evoluir e assim atrair um público diferenciado para seu comércio.

Os sites e propagandas online começaram a apresentar para a população novos produtos e suas respectivas funções, para aqueles que acreditavam que em um sex shop só haveriam vibradores, foi colocada uma gama de produtos diferenciados e inovadores que fariam total diferença na relação sexual. Os óleos e cremes de massagem poderiam ser vistos com mais calma e encomendados com discrição através de telefone ou por e-mail, tornando a aquisição mais segura ao consumidor e poupando o contato direto com o vendedor, que para muitos ainda é uma grande barreira a ser superada. 

Conforme houve o crescimento econômico do setor, empresas puderam investir mais em novas tecnologias e aprimoramento de produtos, trazendo novidades para os consumidores e por um valor mais acessível, de modo que as vendas continuassem ocorrendo e que o mercado fosse se abastecendo de forma contínua e duradoura. Esse sistema utilizado em diversos setores de vendas conseguiu se consolidar entre os produtos eróticos pois sempre há como inovar na criação e na descoberta de formas de proporcionar prazer. 

Criação do Museu Erótico Beate Uhse e a Entrada na Bolsa de Valores

Com toda a repercussão dos sex shops pelo mundo o nome de Beate Uhse ganhou notoriedade tanto no segmento de produtos eróticos quanto entre empreendedores e investidores. No ano de 1996 foi fundado o Museu Erótico Beate Uhse na Alemanha, com o propósito de homenagear a criadora do primeiro sex shop do mundo e quebrar o tabu ainda estabelecido por movimentos conservadores e tradicionalistas. 

O museu tem como proposta tratar de forma educativa sobre a temática dos produtos eróticos e conta com mais de 5 mil artigos expostos, desde os primeiros modelos de preservativos, criados na Índia, até os produtos vendidos pela própria Beate Uhse em seus anos de empreendedora alemã.

Três anos após a inauguração do museu, Beate Uhse ganhou relevância por motivos econômicos, entrando para a bolsa de valores e se tornando um grande nome entre as empresas mundiais. É inegável que os produtos vendidos com a marca de Beate Ushe trazem implicitamente o glamour dos anos de crescimento e sucesso da empresa, o que o torna demasiadamente relevante como item de aquisição e até mesmo de coleção. Beate veio a falecer em 16 de julho de 2001 na Suíça, podendo vislumbrar seus feitos e a magnitude de seus atos empreendedores cerca de meio século atrás. 

A Influência de Sex And The City ao Público Feminino 

No ano de 1998 a emissora HBO lançou sua popular série Sex And The City, baseada em um livro de mesmo nome, que conta a história de quatro amigas na faixa dos 30 anos que vivem em Nova York e que compartilham experiências e vivências entre si. Contudo, a popularidade da série veio através da fácil identificação do público com as personagens, causando não apenas a esperada empatia, como também o desejo e a admiração por tais figuras. 

A temática do sexo é frequentemente abordada no seriado e as personagens contam sobre seus brinquedos pessoais e vão às sex shop de forma naturalizada e sem sexualização. Com isso, muitas mulheres começaram a se interessar pelos aparelhos mostrados na tela e sentiram-se livres o bastante para ir até tais lojas conhecer seus produtos. O vibrador modelo The Rabbit apresentado pela personagem Miranda, por exemplo, se tornou líder de vendas em todo o mundo, sendo até hoje um produto procurado e desejado pelo público feminino. 

O seriado trouxe às mulheres de sua época algo que nunca fora discutido em escolas ou em grupos de amigas: a independência sexual e sua naturalidade. Enquanto demais programas de TV repudiavam e tratavam produtos eróticos como tema de piada, as protagonistas de Sex And The City demonstravam que possuir um vibrador é algo normal e saudável para todas as mulheres.

A Facilidade do E-commerce e o Papel do Sex Shop na Atualidade 

Atualmente tem se tornado cada vez mais comum adquirir produtos de sex shops via internet, tanto pela praticidade na hora da compra quanto pela discrição na entrega. Qualquer pessoa pode consumir produtos eróticos sem ter de dar satisfações ou se expor para entrar em uma loja física. Cerca de 90% das vendas de sex shops são realizadas via internet e o e-commerce tem facilitado cada vez mais esse consumo. Hoje o consumidor pode pesquisar preços, modelos e funcionalidades de produtos do conforto de seu celular. 

Contudo, é importante salientar que os discursos e movimentos de liberdade sexual também possuem grande significância para o crescimento de tais mercados. A liberdade sexual feminina e o incentivo à descobrir o próprio corpo são alguns dos principais motivos pelos quais as pessoas tendem a procurar os produtos eróticos. Torna-se cada vez mais aceitável, tanto socialmente quanto culturalmente, o uso de produtos eróticos na relação sexual.  

Diversificação de Produtos e Setorização de Público Alvo

A indústria de produtos eróticos tomou tamanha dimensão que, atualmente, consegue oferecer produtos precisos e altamente tecnológicos, direcionados para todos os tipos de público. Algumas lojas preferem se especializar em determinados setores do mercado erótico, como por exemplo sex shops especializados em BDSM ou, como vimos anteriormente, a Good Vibrations em São Francisco, EUA. Investir em áreas específicas oferece maior credibilidade à loja, além de conseguir atender à públicos específicos e exigentes. 

Assim como algumas lojas vendem apenas vestidos longos e os fazem com perfeição, diversos sex shops preferem focar em um tipo de produto e extrair dali o máximo que a criatividade e o público consumidor podem oferecer. Em longo prazo isso transforma o mercado e gera produtos de alto nível acessíveis, transformando a economia de produtos eróticos, assim como ocorrido no início dos anos 1990. 

Oportunidade de Investimentos e Prazer Garantido ao Consumidor 

A história do sex shop, ao contrário do que muitos pensam, não é regada de pecado ou vulgaridades, mas demonstra que a sagacidade e o olhar empreendedor podem abrir portas ao longo da vida. Beate Uhse buscava formas alternativas de ajudar as mulheres de sua época a lidar com as dificuldades utilizando-se dos ensinamentos que recebera de sua família. Os vibradores foram criados como solução para uma doença considerada comum no século XIX. Diversos produtos utilizados como estimulantes foram adaptados da medicina oriental e de conhecimentos fitoterápicos.

O mercado de produtos eróticos é, assim como qualquer outro segmento de vendas, um mercado de oportunidades e de possibilidades, que está aberto para quem deseja consumir, investir, criar ou apenas conhecer. A esperança é que, daqui uns anos, falar de sexo não seja mais um tabu e que as pessoas consigam se relacionar de forma livre e realmente prazerosa. O sex shop é apenas uma ferramenta para melhorar a vida sexual e o bem estar de todos. 

Redes Sociais

Newsletter

Formas de pagamento

Formas de envio

Contato

  • 11 9.5654-9056
  • sac@deliciasexshoponline.com.br
  • Visite o nosso Blog!
  • Americana / SP
  • DVSS E-Commerce Virtual, inscrita no CNPJ. sob nº 23.915.396/0001-00 é administradora do site Delicia Sex shop online sediado na cidade de Americana - SP - Brasil.